Header Ads

Testemunho de Dennis (Homossexualidade) - Parte final


| Parte 1 | Parte 2 | Parte 3 |

Não demorou muito até que estivéssemos nos encontrando toda semana para ter o que chamávamos de “Campfire Meetings” (algo como encontro social de escoteiros) em sua sala. Passávamos tempo estudando a Palavra de Deus e orando um pelo outro. Tínhamos momentos de adoração na garagem, ao redor do piano de armário. 

Olhando para aqueles tempos eu percebo que Deus estava usando aqueles reuniões para me ensinar a liderar outros em adoração, e eu não tive dicas de “como”. Eu estava somente usando meus dons particulares em um grupo de pessoas onde todos estavam buscando uma intimidade mais profunda com Cristo da única forma que eu conhecia. Eu sabia apenas 3 ou 4 cânticos de adoração. Aqueles foram tempos maravilhosos com o Senhor. Olhando atrás, vejo que esse relacionamento era como algo precioso dado a mim durante um tempo de grande necessidade de “nutrição”. 

Mas assim como um filhote de águia crescendo, vem o dia em que é tempo de deixar o ninho. 

O tempo de “ser chutado para fora do ninho” veio pela mão de Deus e foi expedido por meu casamento com Melinda Marie Hewitt em 1983. Esse tempo em minha vida não foi o mais fácil... Eu tentava me ajustar à vida de casado e ainda tentava manter o mesmo tipo de relacionamento de antes com os meus mentores. Isso simplesmente não era possível. Olhando para aquele tempo, é fácil ver que Deus estava trabalhando para me livrar de minha dependência dos outros para adquirir força emocional. É sempre mais fácil e perceber isso do que estar no meio de um tempo como aquele e discernir o que estava realmente acontecendo. 

À medida que o tempo foi passando, aquele casal e eu fomos nos afastando. Não considero esse afastamento uma coisa ruim, mas uma coisa necessária. Para eu crescer, eu precisava deixar o ninho. Para que outros “bebês” fossem erguidos a uma caminhada mais madura, eu precisava deixar o ninho e fazer um quarto para elas. A separação dói, mas ela (se nós permitirmos) pode ser como um bisturi, cortando for a todas as dependências emocionais desnecessárias – o que nos ajuda a lançar o foco de nossa dependência para o dono dela: O Senhor Jesus Cristo. Deus usou aqueles anos em Oklahoma City para lançar fora grande parte da bagagem que eu tinha acumulado através dos anos... Mas ele estava somente começando! 

Isso tudo parecia servir exatamente para mim agora. Quando eu tinha cerca de nove anos, senti o Senhor me dizer que eu teria, um dia, uma grande família... Com nove filhos! Eu pensei: “Deus, você deve estar louco. Como eu posso ter nove filhos se eu tenho desejos homossexuais?” Você vê o que Satanás estava tentando fazer? Deus não estava apenas me abençoando com um casamento maravilhoso e muitas crianças; Ele continuava colocando Sua música em meu coração. A gratidão ao Senhor em meu coração por isso é tão grande que terei todos os filhos com os quais Ele me abençoar e nunca deixarei de cantar louvor ao Seu nome! 
O segredo – a chave, para mim – é saber que Jesus me ama, que eu preciso dEle desesperadamente mais a cada dia e perceber que Ele quer me mudar, mudar meu coração, todo dia. Meu desejo é ir até a Sua presença, me prostrar no altar, de forma que Ele possa me transformar à Sua própria imagem. Veja, quando eu tinha nove anos, Jesus começou a me chamar para Ele. Em 8 de Setembro de 1968 eu perguntei à minha mãe sobre como ser salvo. Ela me explicou o plano da salvação: que todos éramos pecadores e que merecíamos perecer no inferno. Eu fui salvo naquela tarde de Domingo e batizado na mesma tarde. Acredito que fui salvo quando tinha nove anos, mas porque eu olhava e percebia meu Pai celestial através de minha imagem pervertida de meu pai terreno, eu não podia receber plenamente tudo o que Ele guardava para mim, como aceitação e perdão. 

É incrível para mim que Ele tenha me amado o suficiente para preservar a minha vida da forma que fez nesses dias e épocas de promiscuidade, perversão e doenças sexualmente transmissíveis, como a AIDS. Uma coisa que me manteve caminhando durante aqueles anos de minha vida, quando eu sentia que iria desistir e vivia em pecado, foi o fato de que Jesus continuou me chamando. Se Ele era Deus, então havia esperança para mim! A coisa mais preciosa disso tudo é que Ele me ama com todo o Seu coração, e é como eu quero amá-lo. Por causa deste relacionamento com Jesus, minha cura tem sido e continuará sendo um processo continuo, até que eu morra e possa vê-lo face a face! 

Outro ponto prioritário de mudança para mim veio durante esse mesmo tempo em 1981 – ainda outra coisa arranjada por Deus! Um amigo íntimo descobriu sobre o meu passado. Eu sabia que seria desgraçado e rejeitado! Quando ele me confrontou, eu corri da casa e continuei correndo até não poder mais. Naquele ponto, eu simplesmente clamei a Deus que falasse comigo. Na mesma hora, meus olhos foram direcionados a olhar para a escuridão do céu do entardecer, onde eu fui atraído a uma nuvem fofa e branca que flutuava logo acima. Aquela nuvem parecia um homem velho, de barba e com os braços estendidos. Perto daquela nuvem estava outra menor, em forma de cordeiro. Enquanto eu observava, o homem barbado envolvia o pequeno cordeiro em seus braços. Eu soube imediatamente que Deus estava falando comigo: isso era o que Ele queria fazer por mim naquele tempo de necessidade. 

Então, eu tive a graça para retornar e encarar o problema. Mas isso não aconteceu! Aquele amigo era um amigo verdadeiro. Ele disse que me amava e queria estar comigo enquanto eu caminhava naquele tempo de libertação em minha vida. E sabe o que mais aconteceu? Deus começou a trazer outras pessoas em minha vida, que queriam me amar incondicionalmente e andar comigo através das trilhas de minha vida – não importa o que fossem – para minha cura completa. 

Em 1983, Deus me chamou para me casar com minha esposa, Melinda. Presumi que, já que eu me considerava curado, não havia necessidade de compartilhar meu passado com ela. Mas logo percebi que eu estava ainda tentando me esconder, o que significava que eu ainda carregava um fardo e que ainda me importava mais com o que o homem pensaria de mim do que com o que Deus pensava. Logo depois de nos casarmos, os bebês começaram a vir! E, com os bebês, a pressão acrescentada da responsabilidade de lidar com os aspectos reais da cura total em minha vida. 

Esconder a verdade me afastaria da cura que Deus queria para mim. Justamente porque eu escondi essas coisas dos outros, meus relacionamentos nunca seriam verdadeiramente o que Deus queria que fossem, porque no verdadeiro amor não há medo. Eu sempre tinha medo de contar isso para qualquer um, porque eu pensava que ninguém me amaria.

Por que estou contando isso a você agora? Bem, em 18 de Julho de 1988, percebi que Deus queria tirar as grandes falhas e fraquezas de minha vida e fazer delas minha grande força – as coisas que Satanás queria que eu mantivesse escondidas para ele poder usá-las contra mim. Mas assim como a prostituta Maria Madalena, percebi que esconder essas coisas me afastava da comunhão e de amar livremente aquele a quem amo mais, Jesus. E não apenas isso: se eu confessasse meu passado livremente, Satanás não teria munição contra mim.

Então, aqui está o que eu fiz. Em Julho de 1988 eu dividi o que acabei de lhe contar (de forma muito mais resumida!) com minha igreja, e algo lindo aconteceu. As pessoas começaram a compartilhar que tinham sido feridas como eu... E muito mais! Homens e mulheres que estiveram envolvidos em homossexualismo (sodomia), mulheres que foram abusadas por seus pais, aqueles que foram estuprados e nunca disseram a ninguém, e até aquelas que abortaram. À medida que confessavam seus pecados e dores, Jesus pôde começar a curar todo o seu passado. Naquele dia, eu publicamente coloquei minha vida e reputação a serviço de Jesus, de forma tremenda. Assim, eu quis que minha vida fosse quebrada e despejada como o perfume que Maria Madalena usou para lavar os pés de Jesus, mesmo com as pessoas dizendo que ela estava sendo fútil. Quero prostrar minha vida e reputação para os outros, assim como meu Senhor Jesus fez por mim. Imagine aquilo: o perfeito Rei do Universo se humilhou e abriu mão de todo o Seu poder e glória porque Ele me ama! Eu não posso fazer menos! 

Desde o dia em que dividi meu passado publicamente pela primeira vez, Deus tem me chamado para contar a outros o que Ele tem feito por mim: liderar e chamar outras pessoas para a intimidade com Jesus através da avenida da música e da adoração. 

Foi depois de um tempo de compartilhamento como esse, em minha cidade natal, Boynton, em 1989, que eu comecei a perceber a verdadeira profundidade e extensão do grande amor de Deus por mim e o chamado para minha vida – e o papel da visão e oração de minha avó Jernigan sobre meu ministério. Depois de liderar a adoração no Boynton Community Center, uma das velhas companheiras de oração de minha avó me disse: “Não é maravilhoso como as orações de sua avó têm sido respondidas?” 

Em meio a sentimentos de choque e lágrimas de alegria, eu perguntei: “Que orações?” 

E ela respondeu: “Você não sabe? Sua avó me contou como ela ficava ao seu lado enquanto você praticava piano em sua casa todos os dias, e como ela pedia a Deus para usá-lo poderosamente em Seu Reino para liderar em música e adoração! E Ele tem respondido suas orações!” 

Suas circunstâncias, seus pecados, suas feridas podem ser diferentes das minhas, mas a resposta é ainda a mesma: Jesus. Você pode ter sido ferido profundamente. Por aqueles tempos você não é culpado! Se você foi usado ou abusado de alguma forma, você pode ser curado. Não receba a falsa culpa que Satanás tenta colocar em você por causa de circunstâncias que estiveram além do seu controle. Eu estimulo você a sondar o seu coração e as coisas pelas quais você foi (e é) responsável: atitudes, ações, pensamentos e sentimentos. Há esperança para o ferido. Se você é como eu, você precisa de uma cirurgia radical. Cirurgias podem tomar mais tempo do que leva para colocar um band-aid em uma ferida, mas geralmente levam à causa em vez de simplesmente cobrir ou amenizar os sintomas da ferida. Se você deseja isso, você pode voltar à rota do(s) seu(s) pecado(s). Estimulo você a fazer isso e lidar com o que você possa estar visualizando. Eu já estive lá e encontrei o caminho para fora, e preciso dividir minha história – a história de Jesus – com aqueles que estão feridos.

Todos nós não fomos feridos de alguma forma? 
A “formula” é esta: eu não posso fazer isso um dia sem o Senhor. Eu peço a Ele para me encher com o Seu Espírito dia após dia, momento após momento, e para me guiar. 

Veja, nós somos indefesos e necessitados de que Deus cuide de nós. E Ele é o Pai que jamais nos deixará ou nos abandonará. Ele é o Pai que aprecia a nossa presença mais do qeu nós jamais poderemos apreciar a dEle! Não tenho mais medo do que os outros possam falar de mim (no momento, estou pedindo ao Senhor que me ajudem nesta área!). Por favor, orem por mim e por minha família enquanto buscamos direção de Deus para nossas vidas. Amo vocês. Na graça e no amor de Deus, 

Dennis

2 comentários:

  1. Nossa, me ajudou muito este testemunho, precisava ler.Que Deus continue abençoando a vida dele e da família dele.Eu agradeço e louvo a Deus pela vida de vocês, se não fosse a inspiração de Deus a vocês do site #fujacrente# em escrever esses post's devocionais, hoje estaria mais afundado na lama do que um porco em suas sujeiras. Que Deus venha lhes recompensar com um galardão em dobro!

    ResponderExcluir
  2. Abriu os meus olhos, eu precisava que continuar escondendo dos meus amados lideres o que realmente fui, e tudo o que aconteceu só está deixando uma porta aberta para satanás.
    Obrigada!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.