Header Ads

O negócio é "FICAR"?

"Ficar" é um fenômeno entre a juventude brasileira...
Embora o "namoro de praia" sempre existiu, esta nova onda social atinge muito mais adolescentes e jovens, e constitui um perigo ainda maior.   

O que significa "ficar"?  
Uma reportagem da Veja (13 de junho, 1990) entitulada "O Negócio é Ficar" o descreveu assim:

"Ficar . . . transformou-se na definição de um pré-namoro, em que apenas abraços e beijinhos não têm fim... Mas isso não significa que exista um compromisso entre os que ficam."


Em outras palavras, quem "fica" entra num relacionamento que inclui (e normalmente enfatiza) envolvimento físico sem nenhum compromisso de longo prazo. Em pouco mais de cinco anos, a onda de "ficar" tem atingido uma grande porcentagem da nossa mocidade.  Mas poucos têm avaliado biblicamente o que gosto de chamar  "ficação".



Para o jovem cristão, o negócio é ficar?   

Creio que a resposta  deveria ser: não!  

Além disso, creio que "ficação" é mais uma tentativa de Satanás para minar a pureza moral da nossa juventude, neutralizar seu testemunho, e, eventualmente, estragar seus futuros lares.   

Existem pelos menos duas razões bíblicas para que o jovem cristão não siga essa moda de ficar:

1) Amizade bíblica implica em compromisso.  O livro de Provérbios esclarece a natureza da verdadeira amizade: ela exige constância (Pv. 17:17, 18:24), lealdade (17:10), e compro­misso (17:17).  Não é influenciada pelo "exterior" como bens materiais e aparências (19:4,6,7; 14:20,21).  Sempre pensa no bem-estar do outro, não na sua própria gratificação, e não mede esforço para provocar melhoras no caráter do outro (27:17; cf. 27:5,6).   A amizade verdadeira segue o padrão de amor em 1 Co. 13:4-8.  O compromisso de se dar é muito raro em nossos dias, mesmo entre amigos, e praticamente inexistente no "ficar".

2) Biblicamente, o envolvimento físico legítimo entre duas pessoas sempre exige compromisso sério entre elas, especificamente, casamento.  A união física de duas pessoas reflete uma aliança (compromisso) entre elas (Pv. 2:17, Ml. 2:14, Gn. 2:24).  
Deus criou as expressões físicas de amor e intimidade como uma "escada biológica".  No plano de Deus, cada degrau da "escada" leva naturalmente para o próximo, até alcançar o "topo", a consumação sexual.  

Deus deixa bem claro que esta experiência se reserva para casais casados (Hb. 13:4). Mas deve-se perguntar se um casal tem o direito de subir qualquer degrau da escada quando não há compromisso, seriedade e intimidade interior nos níveis social, emocional, intelectual e espiritual.  

I Ts. 4:3-8 adverte contra o uso do corpo para satisfazer desejos impuros de uma forma egoísta.  

"Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação; que vos abstenhais da prostituição;
Que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santificação e honra;
Não na paixão da concupiscência, como os gentios, que não conhecem a Deus.
Ninguém oprima ou engane a seu irmão em negócio algum, porque o Senhor é vingador de todas estas coisas, como também antes vo-lo dissemos e testificamos.
Porque não nos chamou Deus para a imundícia, mas para a santificação.
Portanto, quem despreza isto não despreza ao homem, mas sim a Deus, que nos deu também o seu Espírito Santo." 
(1 Tessalonicenses 4:3-8)

A exploração do corpo de uma outra pessoa barateia tanto a pessoa quanto o propósito de Deus.  Na Bíblia isso representa, na melhor das hipóteses, falsidade e hipocrisia, e na pior, fornicação e prostituição.


O negócio é ficar?  Creio que para o jovem cristão, a resposta é não!  
Para o cristão, "ficação" é mais uma ficção de Satanás.

Leia também: FICAR - "Eu quero mais é beijar na boca!"


Pr. Davi Merkh e Fuja Crente

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.